/ Notícias

Confira nossas notícias

Painel EconomiaSC apresenta as perspectivas para 2016

11 de Janeiro, 2016

alt

As perspectivas da economia nacional e o cenário para o próximos anos foram os principais temas do 1° Painel EconomiaSC, realizado no final de novembro de 2015 no auditório da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC). O presidente da federação, Glauco José Côrte prestigiou o evento e avaliou o cenário brasileiro atual. “A profundidade da crise vai nos empurrar para fazer as reformas que não fizemos no tempo certo. Simplificação tributária, excessiva burocracia, reforma da previdência e mudanças nas leis trabalhistas devem ser trabalhadas. Acho que em 2016 ainda vamos ter um primeiro semestre  puxado, mas quem sabe no final do ano voltaremos a ter um quadro positivo”, avalia.

 

O Painel, promovido pelo Portal EconomiaSC, único site de notícias especializado na economia catarinense, reuniu especialistas no assunto, entre eles, o economista-chefe do Banco Votorantim, Roberto Padovani, a jornalista especializada em Economia,  Cristiane Barbieri, o gerente de Negócios do Badesc na Grande Florianópolis, Frederico Ojeda Laureano  e economista do Conselho Regional de Economia de SC, o advogado da Martinelli Associados, Volnei Ebertz da Silva e o economista do Conselho Estadual de Economia de Santa Catarina, Rafael Costa da Silva.

 

Abrindo o evento, a jornalista afirmou que o Governo Federal nos últimos anos, apesar do avanços sociais, pecou ao deixar passar a oportunidade de investir nas questões estruturais, como portos, rodovias e ferrovias. “Perdemos a oportunidade de atrair investimentos por causa da falta de planejamento e da instabilidade jurídica que o país apresenta. Hoje temos perdas nas exportações de commodities pois nossos terminais não não dão conta da safra.”

 

Na avaliação do economista do Banco Votorantim, o Brasil passa pela pior crise desde 1929, agravada pelo endividamento das famílias e das empresas. “Se uma empresa fecha, ela, além de deixar de produzir, gerar renda e emprego, ela deixará muitas dívidas”. De acordo com Padovani, uma solução para este cenário parece distante. “Não existe um sinal de melhora. Precisamos primeiramente superar a crise política.”

 

Em seguida, o tema do Painel foi o crédito destinado às empresas catarinenses. O gerente de negócios do Badesc, Frederico Ojeda Laureano apresentou as diferenças e vantagens que a Agência de Fomento oferece em relação aos outros bancos, entre elas, a oferta de crédito para Startups e outras empresas inovadoras. “O apoio pode chegar até 50% do empreendimento. Além disso, oferecemos flexibilidade na hora da tomada de crédito, não exigimos contrapartidas, como a aquisição de seguros e capitalizações.

 

Outro importante tema debatido foi abordada pelo advogado Volnei Ebertz da Silva, da Martinelli Advogados, que apresentou dicas fundamentais para as empresas em situação de vulnerabilidade possam se recuperar e voltar a gerar riquezas. “Fazer um planejamento estruturado à longo prazo é fundamental para que as empresas possam passar pelas adversidades e se manter competitiva no mercado.

 

Segundo Ebertz, geralmente os negócios que ficaram no vermelho, são empresas que esconderam informações do mercado e assumiram riscos  desnecessários. “Reestruturar as dívidas é apenas parte do processo. É preciso um trabalho interno eficiente de reorganização, de corrigir erros e potencializar acertos.

 

Por último, Rafael Costa da Silva, economista do Conselho Estadual de Economia (Corecon), apresentou para a plateia as melhores opções para investir de maneira segura e eficiente. “Para cada tipo de objetivo, existe uma opção de investimento e é é importante conhecer, buscar  e filtrar informações estratégica de diversas fontes, como a CVM, que é um canal confiável.  O economista, que também é gestor de fundos de investimentos indica a diversificação de investimentos como forma de garantir a eficiência e retorno financeiro. “Investir em um negócio próprio, em tesouro direto, em ações de renda fixa, em imóveis e previdência dá maior segurança. “Quando um deles não está em uma boa fase, os outros equilibram, evitando grandes perdas.

 

Fonte: Economia SC

Foto: Marcelo Passamai