/ Notícias

Confira nossas notícias

Exportação de veículos cresceu no 1º semestre

28 de Julho, 2015

alt

Com o mercado interno em baixa, as montadoras têm se esforçado para ampliar as exportações. O resultado é o crescimento de 16,6% nas vendas externas no primeiro semestre, totalizando 197,3 mil unidades exportadas este ano e contra as 169,3 mil no ano passado.

 

De acordo com os dados divulgados pela Anfavea, no mês de junho as exportações ficaram acima da média do período. Foram embarcados 48,1 mil veículos, alta de 17,9% sobre as 40,8 mil unidades de maio e de 96,8% sobre junho de 2014 com 24,4 mil unidades.

 

As exportações de caminhões cresceram 9,3% no primeiro semestre de 2015 (10,2 mil unidade) contra as 9,3 mil do mesmo período de 2014. Os números da análise mês a mês mostram que junho, que registrou 2 mil caminhões exportados, foi 8,1% menor do que maio (2,1 mil) e 26,1% maior do que as 1,6 mil do mesmo mês de 2014. Já no segmento de ônibus, as exportações no primeiro semestre tiveram expansão de 1,5%: foram 3,3 mil este ano e 3,2 mil no ano passado.

 

Apesar do bom resultado das vendas externas no primeiro semestre, as projeções da Anfavea para o ano de 2015 são mais tímidas. A entidade prevê que ao longo do ano as exportações irão totalizar 338 mil veículos, apenas 1,1% sobre as 334 mil do ano passado. No segmento de veículos leves, o total deve chegar a 313 mil, apenas 1,0% acima do ano anterior. No segmento de pesados o total deve chegar a 25 mil, 2,7% acima do ano anterior. Em valores, as vendas externas devem somar US$ 11,8 bilhões contra os US$ 11,5 bilhões do ano passado (nesse caso incluindo máquinas agrícolas).

 

A produção total de veículos fechou o primeiro semestre com queda de 18,5% na comparação com o mesmo período de 2014: 1,27 milhão contra 1,56 milhão no ano anterior. Para Luiz Moan, presidente da Anfavea, os dados resultam de uma série de fatores: “O País passa por um cenário de baixa confiança dos investidores e consumidores, restrição ao crédito e expectativa pela conclusão dos ajustes na economia. Porém, acreditamos que os anúncios de algumas medidas, como o Plano Nacional de Exportações e o Plano Safra, assim como o Programa de Proteção ao Emprego, são parte de uma agenda positiva”.

 

Fonte: Usinagem Brasil