/ Notícias

Confira nossas notícias

Etiqueta inteligente para objetos metálicos

23 de Junho, 2015

alt

RFID

Engenheiros da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) criaram uma etiqueta inteligente para identificação de objetos que pode ser aplicada sobre metais.

 

Manoel Barbin e Michel Yacoub inovaram em termos mundiais ao criar uma etiqueta que poderá ser utilizada para identificar objetos metálicos de médias e grandes dimensões, como placas, tubos e contêineres.

 

A tecnologia das etiquetas de radiofrequência, ou RFID (Radio Frequency Identification) é basicamente um substituto eletrônico - dotado de memória - dos códigos de barra.

 

A estrutura fina e fixada por um adesivo - daí o nome etiqueta - possui um chip que armazena informações sobre o produto, informações estas que podem ser lidas à distância por um leitor sem fios. O próprio leitor fornece a energia necessária à etiqueta RFID, dispensando o uso de uma bateria.

 

RFID para metais

Um dos grandes gargalos da tecnologia RFID - já amplamente disseminada em aplicações médicas, científicas e industriais - é a dificuldade de lidar com objetos metálicos, uma vez que o metal interfere com as ondas de alta frequência, inviabilizando a leitura dos códigos armazenadas na memória daetiqueta RFID.

 

"É como sintonizar uma emissora de rádio e receber o sinal de outra. Por exemplo: se o projetado é de 900 MHz (megahertz), o metal muda o padrão para 800 MHz e o sistema simplesmente não detecta o objeto que se deseja. Daí, o aspecto inovador desta pesquisa," disse o professor Yacoub.

 

Além disso, a frequência de UHF utilizada permite a leitura das informações a uma distância superior a oito metros.

 

"A etiqueta em si é feita em um processo de tornearia, com o corte, dobra e solda da chapa. A parte mais sofisticada, que não se faz em estamparia, é a colocação do chip. Se as etiquetas convencionais são realmente baratas, elas não funcionam em metal, enquanto esta funciona, a um custo bem razoável, que hoje não deve ultrapassar os 4 reais - e que poderia cair bastante na fabricação em escala," disse Barbin.

 

Fonte: Inovação Tecnológica

Imagem: Unicamp/Antônio Scarpinetti